Israel anuncia a primeira cirurgia cerebral sem cortes

Portador de uma doença conhecida como Tremor Essencial o israelense Sami Zang foi o primeiro paciente submetido a uma cirurgia cerebral sem cortes, realizada no final deste último mês.

Caracterizado por uma alteração na região do cérebro que controla o movimento dos músculos, a doença gera um quadro de tremor continuo que comprometia a qualidade de vida de Sami por quinze anos e que, para tratá-lo, necessitaria ser realizada uma cirurgia.

A nova tecnologia envolve um equipamento de ultrasom focado que gera cerca de mil feixes de energia e é direcionado à área do cérebro que necessita ser corrigida. O procedimento é realizado em um equipamento de ressonância nuclear magnética que gera as imagens do cérebro e permite que os médico direcionem os feixes do ultrasom para a área desejada.

Ao final do procedimento o paciente levanta e sai andando da sala de cirurgia, cena incomum para os métodos convencionais, onde necessita-se de uma abertura e manipulação do tecido cerebral.
Mas por mais que a nova técnica soe como algo futurístico e provavelmente venha a fazer parte de nossa realidade em breve, ela está baseada nos conceitos de energia, e poderia ser correlacionada a práticas descritas há milhares de anos.

No século onze o “Gyüshi”, um livro composto por quatro volumes foi criado baseado em uma revisão de arquivos médicos escritos há milhares de anos, sendo considerado um marco no que seria a então Medicina Budista Tibetâna.

Enquanto nosso conhecimento médico tem suas bases em princípios bioquímicos o Gyüshi descreve a visão Tibetana do corpo humano como governado por um elaborado sistema de energia que circula através de canais.

O livro aborda mil e seiscentas doenças, assim como seus métodos de cura através da manipulação destes canais de energia. Curioso ressaltar que dezoito delas foram descritas como doenças que iriam acontecer no futuro, decorrentes da modificação do meio ambiente e desta interação com nosso organismo.

Milagres, mistérios ou apenas o desconhecido?

israel2

De acordo com o autor americano Lt. Lawrence F. Frego, em sua obra An End To All Disease (Um Fim para Todas as Doenças), o maior “curandeiro” espiritual já conhecido pela humanidade estaria bem mais próximo do que poderíamos imaginar. João de Deus é o médium brasileiro que transformou a vida de Abadiânia, em Goiás, assim como a de milhares de pessoas que o procuram em busca de cura. São mais de mil atendimentos diários, de pessoas do mundo inteiro, que recorrem às cirurgias espirituais realizadas no local, onde a ciência, e a própria medicina, apresentam limitações em explicar tais casos. Ao vermos a evolução tecnológica possibilitar uma cirurgia sem cortes, através de um equipamento, e entender os conceitos de energia da medicina Tibetana, será que os milagres operados por João não se enquadrariam nestes mesmos princípios? Assim como até hoje não conseguimos replicar milagres descritos nas escrituras antigas, o tempo, e a vida, com certeza nos tem ensinado algo muito importante: ainda temos muito que aprender.